RETOMAR - Linha de Apoio à Recuperação Económica



 

 

 

 

RETOMAR

LINHA DE APOIO À RECUPERAÇÃO ECONÓMICA

 

O Banco Português de Fomento apresentou uma nova linha de apoio às empresas, designada como RETOMAR.

Esta linha foi criada em parceria com o IAPMEI, com as instituições de crédito aderentes e com as sociedades de garantia mútua, e visa oferecer soluções às empresas viáveis, mas que tenham operações de crédito em moratória e, que desenvolvam atividade nos setores mais afetados pela pandemia COVID-19, de forma a melhorar a sua liquidez.

A linha opera através de três mecanismos:

  • Reestruturação da totalidade dos empréstimos com moratória, com aumento da maturidade das operações e período de carência
  • Refinanciamento parcial da totalidade das operações de crédito com moratória, quando não enquadráveis na alínea anterior; e
  • Empréstimo adicional aos mecanismos previstos nas alíneas anteriores para fazer face a necessidades de liquidez.


Beneficiários

Podem beneficiar da linha RETOMAR as empresas, não financeiras, viáveis, independentemente da sua dimensão e, que cumpram os seguintes requisitos:

a) Micro, Pequenas e Médias Empresas, certificadas por Declaração Eletrónica do IAPMEI, bem como, Small Mid Cap e Mid Cap, como definido no Decreto-Lei n.º 81/2017, de 30 de junho, ou Grandes Empresas, com atividade em território nacional, que preencham a declaração do beneficiário e a declaração para uma operação de crédito emitida ao abrigo das condições de mercado e, cumpram cumulativamente, os seguintes requisitos:

  1. não serem consideradas empresas em dificuldades a 31 de dezembro de 2019;
  2. apresentarem pelo menos uma operação de crédito em moratória contratada antes de 27 de março de 2020, pré COVID-19, sem garantia de uma Sociedade de Garantia Mútua (SGM), do Fundo de Contragarantia Mútuo (FCGM) ou do Estado;
  3. não estarem, à data da contratação da garantia da SGM, em mora ou incumprimento de prestações pecuniárias há mais de 90 dias junto das instituições participantes da Central de Responsabilidades de Risco de Crédito e não se encontrarem em situação de insolvência, ou suspensão ou cessação de pagamentos, ou que naquela data estejam já em execução por qualquer instituição;
  4. apresentem código CAE principal que se enquadre num dos setores mais afetados
  5. tenham, à data da contratação da garantia da SGM, a situação regularizada junto da Administração Fiscal e da Segurança Social, ou no caso de apresentarem de dívidas vencidas após março de 2020, deve ser apresentado comprovativo de adesão subsequente a plano prestacional;
  6. não serem entidades com sede ou direção efetiva em países, territórios ou regiões com regime fiscal claramente mais favorável (offshore), ou sociedades dominadas, por entidades, incluindo estruturas fiduciárias de qualquer natureza, que tenham sede ou direção efetiva em países, territórios ou regiões com regime fiscal claramente mais favorável, ou cujo beneficiário efetivo tenha domicílio naqueles países, territórios ou regiões.
  7. cumpram com a obrigação de registo no Registo Central do Beneficiário Efetivo e todas as obrigações legais daí decorrentes.
  8. cumpram os requisitos da Portaria n.º 295/2021 de 23 de julho de 2021, no caso serem empresas sujeita a este normativo.
  9. apresentem resultados positivos em 2019 ou EBITDA positivo em dois dos últimos quatro exercícios (aplicável a empresas com data de início de atividade em 2016 ou anteriormente);
  10. apresentem, cumulativamente, os seguintes requisitos:
     a) queda da faturação operacional igual ou superior a 15% no ano de 2020, face ao ano de 2019;
     b) queda da faturação operacional no 2º trimestre de 2021, face ao 2º trimestre de 2019 ou, por opção da empresa devedora, nos últimos 3 meses disponíveis de 2021, face aos três meses homólogos de 2019
  11. apresentem um rácio de cobertura de juros em 2019 de pelo menos 2x

b) apresentação de declaração emitida pela instituição de crédito, relativa à operação de crédito que vai ser objeto de reestruturação, refinanciamento ou da operação de crédito adicional para cobrir necessidades de liquidez, conforme os casos, a qual deverá referir nomeadamente que foi obtido o parecer expresso favorável à realização da operação de reestruturação, de refinanciamento ou de crédito adicional para cobrir necessidades de liquidez, conforme o caso, pela função de gestão interna de risco da instituição de crédito;

c) a instituição financeira poderá propor o enquadramento de operações de crédito em moratória, de empresas cujo volume de negócios, alcançado em 2019, tenha sido originado, em percentagem igual ou superior a 50%, a partir de empresas dos setores mais afetados, ficando a operação dependente de decisão da SGM.


Como solicitar?

A empresa deve contactar uma instituição de crédito e apresentar o pedido de operação;

  • Os pedidos de operação são objeto de decisão inicial por parte da instituição de crédito tendo em consideração a sua política de risco de crédito em vigor, devendo esta ser comunicada ao requerente no prazo de 5 dias úteis a contar da data do pedido. Em caso de recusa da operação, bastará à instituição de crédito dar conhecimento da sua decisão ao beneficiário.
  • Após a aprovação da operação pela instituição de crédito, esta enviará eletronicamente à Sociedade Garantia Mútua (SGM) através do Portal Banca, em formato fornecido pelo Sistema de Garantia Mútua, os elementos necessários à análise de risco e elegibilidade da operação pela SGM para efeitos de obtenção da garantia mútua.
  • A decisão da SGM deve ser comunicada à instituição de crédito, até ao prazo de 5 dias úteis, salvo situações em que esse prazo se revele insuficiente face os contornos da operação, podendo nesses casos o prazo ser até 10 dias úteis. A contagem dos prazos poderá ser suspensa, com o pedido pela SGM de elementos considerados indispensáveis para a análise da operação.
  • Após a comunicação da aprovação pela SGM à instituição de crédito, as operações aprovadas deverão ser contratadas com a empresa até 60 dias úteis e até 31 de dezembro de 2021.

Para conhecer as principais caraterísticas desta linha e a lista de CAE´S dos setores de atividade abrangidos, CONSULTE AQUI O DOCUMENTO DE DIVULGAÇÃO E DECLARAÇÕES DE ACESSO À LINHA

 


POLITICA DE PRIVACIDADE

Edifício Expobeiras – Pq. Industrial de Coimbrões – 3500 - 618 – VISEU

tel: 232 470 290 tm: 934 470 290 – email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

CRC Viseu e NIF nº 501 339 612

AIRV 2007 © Todos os direitos reservados.